Nota de repúdio ao fechamento da exposição “QueerMuseu – Cartografias da diferença na arte brasileira”

A Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas – ANPAP – por meio desta nota vem expressar sua indignação diante do fechamento, no dia 09 de setembro de 2017, que interrompeu de forma antecipada a visitação à exposição “Queer Museu – Cartografias da diferença na arte brasileira” no Santander Cultural, na cidade de Porto Alegre (RS). Esta ação do Santander Cultural fere a relação arte-público-instituição, uma vez que limita a liberdade de expressão, um dos princípios essenciais da Arte, e o acesso das pessoas a estas obras e às reflexões que elas possam suscitar.

O mote da referida exposição com curadoria de Gaudêncio Fidelis era a diversidade de expressão de gênero e as diferenças na Arte e na Cultura, entendendo que uma discussão ampla e reflexiva destas questões são demandas da contemporaneidade. Neste sentido, corroboramos a importância da convivência de todos os movimentos sociais e vetores políticos e culturais, que organizam vozes, escutam minorias, potencializam falas, constroem saberes. Estes tempos de embates produtivos evocam novos territórios e apresentam-se fundamentais para a constituição de uma sociedade democrática.

Em suma, manifestamos nosso repúdio a tal atitude compartilhando nossa indignação e expressando nosso apoio para com aqueles que lutam pelo respeito às diferenças e à liberdade de expressão.

Diretoria ANPAP Biênio 2017-2018

Campinas, 18 de Setembro de 2017

Nota de Apoio: UERJ

A Associação Nacional dos Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP) em sua missão de estimular e promover o desenvolvimento e difusão da pesquisa em artes plásticas e visuais no país, através de todos os meios disponíveis, reafirma seu compromisso com esses preceitos e, vem por meio desta nota apoiar o trabalho e a luta de docentes, funcionários e alunos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), pelo restabelecimento das condições de ensino, pesquisa e extensão que sempre caracterizaram a excelência e qualidade inegável de 64 anos de contribuição à sociedade e ao país.

A ANPAP em sua preocupação e comprometimento com os caminhos da pesquisa nacional ressalta, dessa forma, que é imprescindível, não apenas a preservação da dignidade dos servidores e alunos da UERJ, mas também o devido reconhecimento e respeito para com as atividades fins desta Instituição no que tange ao desenvolvimento científico e artístico da nação. Espera-se que o governo estadual do Rio de Janeiro se sensibilize e tome as providências cabíveis para que a Universidade possa voltar a atuar de modo preciso e satisfatório, sendo garantido o grau de excelência que sempre norteou a UERJ. É inadmissível qualquer tipo de retrocesso que coloque em xeque a educação e a pesquisa como formas de independência e autonomia intelectual e científica do país.

Diretoria ANPAP Biênio 2017-2018